A Voz do Pastor › 13/10/2015

Cinco anos de criação da Diocese de Salgueiro


dmagnus_20x30cm_fd_branco (2)

Aos meus diletos filhos da querida Diocese de Salgueiro,
a todos vós, amados no Senhor, desejo: “graça, misericórdia e paz da parte de Deus Pai e de Jesus Cristo nosso Senhor” (2Tm 1,2).

Dia 12 de outubro do ano em curso estamos comemorando o 5º aniversário de instalação da Diocese de Salgueiro. A Diocese nascente fez seu itinerário como Igreja Particular. Muitas realizações e bênçãos de Deus sinalizaram o itinerário desses cinco anos, marcados pelo empenho no zelo pastoral e na administração.

Louvamos a Deus por tanto bem realizado, sobretudo pelos sacerdotes ordenados neste período e que hoje, estão à frente dos trabalhos pastorais em nossa Diocese. Louvamos ainda e bendizemos a Deus por um laicato que vai tomando “Consciência de ser Igreja e não somente de pertencer à Igreja pela experiência de autonomia e corresponsabilidade na comunidade de Fé e pela ação na Igreja e no mundo, independente do ministério que exerça na comunidade e na diversidade de Carisma” (Estudos da CNBB 107, n. 10).

Sendo a Diocese o lugar comum em que os fiéis se congregam para crescer na santidade, para participar da missão da Igreja e viver a comunhão eclesial, vejo com alegria que as paróquias se tornam cada vez mais em uma comunidade dinâmica de comunidades, o ponto de convergência das comunidades e demais grupos e movimentos que dinamizam e, por sua vez, dela se nutrem. Somos cônscios e conclamamos as paróquias para que elas se tornem, “cada vez mais comunidades vivas e dinâmicas, capazes de proporcionar a seus membros uma real experiência ‘de discípulos e missionários de Jesus Cristo, em comunhão’” (Documentos da CNBB 102, n. 56).

Com o apoio irrestrito do clero diocesano, sob o patrocínio do nosso padroeiro Santo Antônio e a generosidade de corações sensíveis ao sofrimento humano, iniciamos a construção da Casa de Acolhida São Francisco de Assis sob os cuidados da Comunidade Boa Nova inaugurada recentemente. Outra obra também recentemente inaugurada foi a Cúria Diocesana, agora, com espaço adequado para a realização dos trabalhos administrativos da mitra, como: atendimento, despachos, reuniões, etc. Grande conquista foi a reestruturação da Rádio Asa Branca, meio indispensável para a propagação da Palavra de Deus.

Contudo, somos cônscios de que o momento é de refletirmos sobre os desafios superados, aprender com os erros do passado e olhar para o futuro com coragem. Não é fácil a tarefa, mas é gratificante o resultado. Com Deus no coração não existem fronteiras ou limites para alcançarmos nossos objetivos. As sementes foram plantadas, os frutos estão sendo colhidos, mas há muito ainda por colher.

Venho pedir, com humildade, que todos se tornem responsáveis por tudo que desejamos realizar em nossa Igreja, com a participação e colaboração de cada um. São Paulo escreve que “embora muitos, formamos um só corpo em Cristo” (1Cor 12,12). Que possamos viver este lema como objetivo a ser alcançado em nossas atividades. Que seja o impulso a nos levar sempre avante no empenho pelo Reino de Deus.

No momento atual de nossa Igreja, somos mais que nunca, chamados a ser discípulos missionários. Surge diante de nós o exemplo fulgurante de Maria a Mãe de Jesus. A mãe que se fez discípula, ouvinte fiel da palavra que meditava em seu coração e proclamada em seu cântico de louvor e agradecimento (Lc 1,46-55). Maria é nossa companheira no itinerário da fé.

E, na dinâmica da evangelização tenhamos consciência de que a nossa ação de “Planejar a pastoral não é um processo meramente técnico. É uma ação carregada de sentido espiritual. Por isso, todo o processo precisa ser rezado, celebrado e transformado em louvor a Deus. Para tanto, são necessários evangelizadores ‘que se abrem sem medo à ação do Espírito Santo’, ‘que anunciam a Boa Nova com uma vida transfigurada pela presença de Deus e que rezam e trabalham’” (Documentos CNBB 102, n. 128).

Que a oração nos fortaleça, a fim de vivenciarmos com amor e esperança este tempo favorável do qual o Senhor nos faz participantes. Na alegria de poder servir nossa Diocese no múnus que me foi confiado envio de coração a minha bênção.

Que a mãe Aparecida, padroeira do Brasil, interceda por todos nós!

Salgueiro-PE, 12 de outubro de 2015

+ Dom Magnus Henrique Lopes, OFMCap.
Bispo Diocesano

Deixe o seu comentário





* campos obrigatórios.